O SAL É UM DOM

De repente, no meio da montanha russa da vida, o tempo parece que resolve dar uma pausa para que possamos sorrir. Reencontrei hoje um grande amigo que trouxe uma beleza de livro embaixo do braço para encher minha cozinha de amor e poesia. Com ele veio sua esposa muito gentil trazendo alguns temperos na mão, aqueles que não cabem nos potes e transbordam a panela de feijão. Veio também o filho Tom, com o frescor do sorriso mais sincero, aquele que não pode faltar na vida e na panela. Comigo estava o melhor amigo e marido, que todo dia enche de amor meu coração, e nossos seis gatos amados, que não fazem nenhuma confusão. Só sei agradecer com comida, e talvez com uma foto pra guardar de recordação. A amizade também é um dom.♥



Pra adoçar a palavra e o encontro.♥


Cardápio para receber o casal de amigos:
entrada: torradas de pão sírio com homus, conservas de berinjela e abobrinha, castanhas de caju torradas e amendoim. Para beber, água aromatizada de limão siciliano com hortelã e cerveja.

almoço: costela suína assada com dry rub e geleia caseira de maçã com pimenta, batata recheada com cogumelos, queijo tipo grana, manteiga de ervas e bacon, aspargos grelhados e salada de rúcula com tomatinhos grape (ninguém tocou! rs)

sobremesa: semifreddo de creme de avelã (tem receita aqui no blog!) com café coado. Também teve bolo de chocolate com recheio de doce de leite e ganache para o café. 

Fiz um verdadeiro fuzuê na cozinha, estou acostumada a ficar sozinha e a fazer tudo no tempo exato da minha cabeça, no maior silêncio com os gatos em casa, almoçar meio dia em ponto e deixar tudo na mais perfeita organização. Faço fotos em no máximo 5 minutos e pronto, e quando sirvo a comida a louça do preparo já está lavada e guardada. Quando cozinho com o maridão em casa tb é maior silêncio, às vezes só a música tocando na cozinha ou apenas os sons das panelas, é uma grande terapia, uma verdadeira meditação. Cozinhar com amigos por perto foi uma novidade maravilhosa e um tanto desesperadora, mas foi uma experiência incrível. Já cozinhei várias vezes com pessoas em casa, mas desta vez recebi um amigo querido que não via há quase 10 anos, e também ia conhecer sua esposa e filho. A minha cozinha pela primeira vez seria um assunto vivido ao vivo e a cores, era um dos grandes motivos do encontro! Deixei coisas caírem no chão, fiz bagunça que não costumo fazer, não torrei as avelãs para servir com o semifreddo (nem servi as avelãs!), fiquei tonta com 2 cervejas, ficou tudo atrasado. Almoçamos depois das 15h e o bolo foi servido junto com a sobremesa, tudo diferente do que eu havia programado. E quer saber? Sair da rotina de vez em quando é ótimo e libertador! Não trocaria a organização por nenhuma gargalhada solta e feliz que tivemos, pelas memórias trazidas da época da faculdade, pela delícia que é ter uma amizade, pelas novidades ouvidas e pela euforia de encontrar pessoas queridas. Tá, tudo bem, sendo 100% sincera eu gostaria mesmo é de conciliar as duas coisas. Mas não vivemos na novela do Manoel Carlos, a vida é muito mais descontrolada que isto, ainda bem.