BRIGADEIRO ENROLADO

Foi provavelmente a primeira e última vez que fiz na vida! :D Desta vez nem as forminhas lindas me salvaram. O desabafo será longo pois estou muito, muito chateada. Existem algumas coisas que eu não gosto mesmo de fazer e não quero gostar, sabe? A querida Lela postou um brigadeiro lindo esta semana e comentou que os dela quase sempre derretem na forminha. Na mesma hora eu pensei "poxa, que bom que ela sabe que derretem pois eu nunca enrolei, nem sei se o meu derrete!" Pensei que já era hora de enrolar um brigadeiro, apesar de não gostar muito de sujar louças sem necessidade e lambuzar as mãos sem vontade. Eu sempre preferi beijinhos nos meus aniversários desde criança, acho que pensava que eles nasciam no coqueiro pois nunca pensei em fazer quando nova. Até hoje não sou a maior fã de brigadeiro (desculpem-me!) e só gosto de fazer o meu com cacau 100% e café, no máximo com chocolate 70% pra não ficar muito doce. Bom, eu fiz o brigadeiro, coloquei num prato pra esfriar e já me irritei por sujar a panela e um prato. Depois me irritei por ter que esperar esfriar, depois me irritei por ficar com as mãos sujas, depois me irritei porque não soube tirar o excesso de cacau direito, depois me irritei com o desperdício de brigadeiro grudado no fundo do prato e depois me irritei porque sim, eles derretem! Tudo bem, já sabemos que o ponto é aquele que solta do fundo e faz túnel no meio da panela, mas isto não vem ao caso. A última irritação foi saber que comer brigadeiros enrolados geram uma culpa maior. Cada mordida parece que vem com uma injeção bombástica de calorias no cérebro, coisa que não sinto quando como com a colher direto na panelinha. Quem quer comer brigadeiro se culpando? Conclusão: a cozinha não perdoa, nossas emoções ficam estampadas na comida que preparamos e eu definitivamente não sou delicada (não mesmo!). Sou melhor fotógrafa que cozinheira, sempre falo isto. No fim das contas, POR QUE ENROLAR? No fim das contas a enrolada sou eu e não o brigadeiro. Um salve às mulheres pacientes e delicadas que fazem brigadeiros perfeitos para a falicidade da população brasileira. Vocês merecem todas as homenagens. ♥



Depois de esfriar completamente (sim, enrolei os da foto anterior ainda mornos) enrolei mais alguns e passei num cascalho de chocolate branco triturado. Não derretaram, mas minha irritação não passou... =/ 

Na hora de enrolar o último brigadeiro, lembrei que tinha nibs de cacau e fiz este filho único aqui embaixo. Aproveitei para fazer todas estas fotos já que que provavelmente nunca mais irei enrolar brigadeiros na vida. :))

Rio, 29/08/2017: não foi a última vez. Persisti, pois desistir nunca foi uma possibilidade mesmo quando se trata de um simples brigadeiro. Enfim, missão cumprida, mas continua não sendo uma terapia. Abaixo, brigadeiro de especiarias com flocos de arroz. Ficou uma delícia, e estou começando a pensar na possibilidade de servir os brigadeiros enrolados, é realmente charmoso e muito brasileiro. Pensarei no caso quando for receber alguém que seja muito querido, mas muito mesmo.